terça-feira, 2 de agosto de 2011

Revoada


Meu espírito é uma vaga
Na areia da praia
No cair da tarde
Espero em silêncio.

Tenho o sol por companhia.
Meu coração apenas bate
Meus pés estão molhados
Minha essência é esta areia.

Somos milhões
Como os pássaros
Mintas vezes não me sinto humano
Não enxergo horizontes.

Agora em gritos e algazarras
Corro e balanço as asas
Tornei-me tão leve
E apenas aguardo a revoada.

Autor Gilberto Fernandes Teixeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário