domingo, 16 de dezembro de 2012

Seu rosto


Esta sua límpida face
Que os meus olhos contemplam
Face de luar
Branca como as brumas.

Esta sua pele de pêssego
Quase mórbida
Vestido de pelúcia
São plumas sopradas na noite.

Estes pensamentos vagos
Distante dos mundos
A procurar pelos sonhos
São meros devaneios.

Estes versos meus
Murmurados em seus ouvidos
São meras desculpas
Por amar-te intensamente.

Autor; Gilberto Fernandes Teixeira.


2 comentários: