sexta-feira, 29 de junho de 2012

Sem mágoas



Não tenho mágoas
Desconheço tal significado
Minha vida é um traço em preenchimento
Tenho poucos amigos é verdade...

Pois o meu coração é muito frágil
Ele oscila em um pêndulo tênue
Minhas horas são breves esperar do sol
Os meus batimentos são letárgicos.

Não estou mais a fim do desgaste
Minha lapidação foi fechada para balanço
Meus diamantes já estão muito gastos
Não há mais razão no sofrer.

Agora estou me dedicando ao amor
Aquele amor sem interesses
Aquele amor que perdoa
Que procura dar muito mais do que receber.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Metamorfose vulcânica



Eu já falei muito das rosas
Mas agora meus lances serão as pedras
Pedras, pedras e mais pedras.
Sei também que a minha vidraça é de vidro...

Mas não estou a lançar tais pedras
Nem a recolher flores pelo caminho
Definitivamente as pedras...
São mais doces que os espinhos.

Pois com elas construo o meu casulo
De onde farei uma metamorfose vulcânica.

Autor; Gilberto Fernandes Teixeira.

terça-feira, 26 de junho de 2012

Fibras de vidro



“Ainda pouco eram estrelas”
Caminhos de luz...
Via-láctea
Cintilante paixão!

Nada além de um ofuscamento
De um brilho efêmero
Caindo do céu
Anjos em gotas.

Lágrimas brilhantes
Esferas em pontas de fios
Fibras de vidro
Vaga-lumes sintéticos.

“Ainda pouco eram estrelas”
Lançadas no céu
De sua boca
Por um cupido cibernético.

Autor> Gilberto Fernandes Teixeira

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Obrigado! "Gracita"


Este blog  mora em meu coração...

50.000 Acessos!

Parabéns Blogs Amigos!

O menino e o tempo



Ainda a pouco era um menino...
Cabelos ao vento
Soltando pipas
Sem compromissos com a vida.

Ainda pouco era um menino...
Seus sonhos eram livres
Seus pensamentos distantes
Suas tardes coloridas.

Ainda pouco era um menino...
Brincando por sobre os trilhos
Pulando por sobre os dormentes
Esperando a Maria Fumaça.

Ainda pouco era um menino...
Que sentia a brisa no rosto
Que sentia a vida fluindo
Que trazia o coração inocente.

Ainda pouco... Muito pouco...
Ele teve um encontro com o tempo
E agora é um homem
Que carrega o menino por dentro.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sábado, 23 de junho de 2012

Feminina



Encontrei-lhe assim...
Com seu sorriso aberto
Receptiva...
Um cálice a brindar o vento.

Não tinha cores brilhantes
Nem um perfume chocante
Apenas grandes lábios ao sol
A desejar pelo amor.

Você estava exuberante
Delicada e apaixonada
Era uma flor perfeita
Simplesmente feminina.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Tribos


 Fotografia By: "Carlos Lopez"

Qual é a sua tribo?
Ou me fale apenas seu nome
Qual é o seu desafio?
Ou me fale apenas de onde você é.

Qual é a sua luta?
Ou me fale apenas da sua raça
Qual é a sua fé?
Ou me fale apenas dos seus sonhos.

Qual é a sua provação?
Ou me fale apenas do seu corpo
Qual é a sua cruz?
Ou me mostre apenas a sua pele.

Qual é a sua filosofia?
Ou me fale apenas de suas tatuagens
Qual é a sua dor?
Ou me fale apenas do teu choro.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

terça-feira, 19 de junho de 2012

Só o amor liberta.



Sobre uma tênue linha
Balança meu coração
Estou em busca da poesia
Da musa da inspiração.

Procuro no surreal
Algo que me chame atenção
Uma passagem por sobre o abismo
Um equilíbrio na perfeição.

Do outro lado alguém me espera
Tendo um pássaro na mão
Com a minha liberdade
Te trarei libertação.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Sem sentidos



Faz-me sentir
O que a muito não sinto
                                                            Leva-me
Aonde nunca estive...

Aqui as muriçocas me carregam
Transportam meu sangue em frascos
E brindam minha poesia em taças
Depois me soltam na mata.

Então perco os meus sentidos
Fico perdido!
Sem meu fluído tecido
Hermatopioético.

Autor> Gilberto Fernandes Teixeira

Espaço



Ela vestiu seu traje espacial
Acenou com a sua mão direita
Deu um sorriso sincero
E as mulheres conquistaram definitivamente o seu espaço...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Navegador dos sonhos



Longe vão os meus pensamentos
Navegando por um mar sem fim
Tem sempre uma nau errante
Tentando ancorar dentro de mim.

Vivo nas nuvens feito um balão
Não paro em qualquer estação
Não tenho ilhas nem praias
Também não tenho bússola nem direção.

Sou apenas um navegador dos sonhos
Que navega com o coração
O meu leme é tempo
O meu barco é a paixão.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quarta-feira, 13 de junho de 2012

O sol nas paredes



É apenas o sol...
O sol nas paredes
Como um ácido fraco
Na corrosão constante dos dias.

Envelhecendo...
Assim vão-se as horas
Nossas mãos se tornam lentas
Nossos pensamentos em esquecimentos.

Nada além do sol...
Do sol nas paredes
Queimando as tintas
Retirando o brilho dos olhos.

Assim vamos todos...
Fazendo fila indiana
Sobre os dormentes do tempo
Despachando a bagagem da vida.

Autor; Gilberto Fernandes Teixeira.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

Enamorados



Estive pintando corações
Enamorados...
Sonhos de adolescentes
Pura paixão...

Amar é....
Figurinhas de amor
Juras inacabadas
Impedidas pelos beijos.

Eu quis cantar “pais e filhos”
Mas ela não permitiu
Eu quis gritar apaixonado
Mas ela mordeu meus lábios.

"O amor está no ar"
Dizem as estrelas coloridas no papel
Bolas de sabão subindo
Carregando meus sonhos.

Me beije meu amor!
No dia dos namorados
De corações pintados
Meu presente será você.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

quinta-feira, 7 de junho de 2012

Coração 3D.



Minha diástole nervosa
Minha sístole inquieta
Meu pulsar cardíaco variável
Batendo forte contra as paredes do peito.
Fez-me descobrir
“Que sofro de disritmia do amor”.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

Amar é... Depois dos 40.



Ao Reler meu álbum de figurinhas “Amar é”...
 Fiquei a imaginar...
Como os gestos simples são fontes de amor
E como é gostoso pensa assim...
Sou eu morando dentro dela
E ela se escondendo em mim.

Para amar não são necessárias muitas coisas fictícias
Basta um pouco de perfume e alguns gestos de caricias
Amar não é uma coisa complicada...
Amar é... Pode ser declamar uma velha poesia
Ou quem sabe rodar o “Roupa Nova” na vitrola.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

terça-feira, 5 de junho de 2012

O veneno



Ela fitou o frasco
Com seus olhos tristes
Uma lágrima rolou lhe na face
Havia um gosto doce de sangue.

Seus pensamentos eram vagos
Seus movimentos eram lentos
Sua respiração ofegava
Ela queria desistir da vida.

Ela ia beber o liquido
Ela queria engolir a morte
Ela chegou abrir a tampa
Ela procurou sentir o perfume.

Mas uma voz lhe disse: Não!
Então ela lançou fora sua dor
Escutou seu coração
E quem se suicidou foi a sua paixão.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Lua pálida



Existe uma lua nua e pálida
Brilhando na noite
Noite de sonhos “calientes”
E adormecidos...

Ela se deita na abóbada do céu
Seu corpo se pende no vácuo
Sua pele é branca e suave
Seus cabelos ondulados e negros.

Existe um contorno nu na lua
Suas curvas lembram Afrodite
Seu brilho é um convite ao amor
Ao pecado dos deuses.

As estrelas são testemunhas
Existe uma silhueta na lua
Ela me chama a um encontro
Acho que vou num foguete...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sábado, 2 de junho de 2012

Era uma vez uma rosa.



O nome dela era rosa
Simplesmente rosa
Rosa cor de rosa
Com perfume de rosa.

Um dia a rosa
Ficou enamorada
Pois um beija-flor roubou-lhe um beijo
E foi embora.

Então rosa chorou
Despetalou-se
Apaixonou-se
E até murchou.

Quando o beija-flor voltou
Rosa já havia morrido
E em seu lugar estava um lindo jardim florido
“E era uma vez uma rosa”...

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Paixão


A paixão é sangue
Plasma que escorre
São agulhas na carne
Que perfuram a alma.

Sentir paixão
Não é bom
Nem faz bem
Ao coração.

paixão é vermelha
Sobre um quadro negro
Em cujas pinceladas estão as dores
Da orelha de Van Gogh.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira