domingo, 23 de dezembro de 2012

"Feliz Natal"


“Então é natal”...
Que bom o renovo!
Mais um nascimento
Esperança para o povo.

Para onde iria
Nossa humanidade?
Pois só Cristo
Deu-nos rumo e a eternidade.
 
“Então é nata!”
“A festa cristã”
O velho se faz novo
E existe amanhã!

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira

domingo, 16 de dezembro de 2012

Seu rosto


Esta sua límpida face
Que os meus olhos contemplam
Face de luar
Branca como as brumas.

Esta sua pele de pêssego
Quase mórbida
Vestido de pelúcia
São plumas sopradas na noite.

Estes pensamentos vagos
Distante dos mundos
A procurar pelos sonhos
São meros devaneios.

Estes versos meus
Murmurados em seus ouvidos
São meras desculpas
Por amar-te intensamente.

Autor; Gilberto Fernandes Teixeira.


Sem noção.

Uma metamorfose apenas
E já me sentia assim
Meio homem...
Meio bicho...

Enrolado em meus problemas
A solução?
Parecia-me tão distante
Inatingível e inaccessível.

Pois meu coração pulsava freneticamente
Enquanto minha razão tecia novelos
Fazia tempestades em copos d águas
Queria uma revanche...

Então religaram um fio
E tudo fluiu pelo ralo
Minha ignorância evaporou-se pelo buraco
E sai voando neste corpo de barata.

Autor; Gilberto Fernandes Teixeira.


As voltas da vida.


Nas voltas da vida
Quase perdi meu coração
Nada será para sempre
Nem a  minha poesia será eterna,

Onde me lançaram?
Por onde estive perdido?
Minha metalurgia se esfriou no tempo.
O metal quase perdeu seu brilho.

Pensei na desistência completa
No adeus, e no abando das letras.
Mas algo me pediu retorno
Pediu-me paciência.

Voltei para os amigos
Voltei para o espaço cibernético
Este espaço que se abriu e se fechou
Como uma flor que caiu em silêncio.

Autor: Gilberto Fernandes Teixeira